domingo, 24 de fevereiro de 2008

Os Tentáculos do Polvo e o Colapso da Justiça

Numa altura que a PJ tudo o que mais precisava era que lhe devolvessem com urgência a credibilidade, pois nos últimos tempos a existência desta instituição tem sido de agonia e de convulsão, eis que o "iluminado" Alberto Costa, ministro da Justiça, escolheu Almeida Pereira para director da PJ do Porto. Almeida Pereira está a ser investigado pelo PGR por denúncia que o indicam como uma pessoa próxima do FC do Porto. Esta denúncia refere ainda que Almeida Pereira terá favorecido Pinto da Costa logo após o desencadeamento do "Apito Dourado". A escolha do novo director da PJ do Porto será um xeque-mate ao próprio PGR, um rude golpe para Maria José Morgado e deverá ter consequências negativas nas investigações do processo.
Isto para mim apenas significa que o Governo quer continuar a restringir as competências da PJ. Limitar a instituição à investigação e controle de crimes praticados pela "arraia-miúda", como por exemplo: tráfico de droga, pequenas burlas, etc...
Para situações mais complexas, como crimes de colarinho branco, tráfico de influências ou "máfias sicilianas" a norte do país, será o Governo a ter o poder absoluto sobre as mesmas. Serão este tipo de reformas na Justiça que o ministro Alberto Costa quer e que apregoou há uns dias atrás?...

1 comentário:

Cláudia Pereira Cardoso disse...

Pois o importante é que o Governo controle tudo e tudo mantenha com rédea curta.

E a propósito, o investigador contratado pelos Maccann foi preso ou está para ser por ligações ao tráfico de droga. Fantástico! Gente séria, heim?!